Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CastVide(Photos)

Fotografias da notável vila de Castelo de Vide

CastVide(Photos)

Fotografias da notável vila de Castelo de Vide

Igreja de São Tiago Maior, Castelo de Vide

    Veja todas as fotografias em www.castvide.pt

Igreja de São Tiago Maior, Castelo de Vide

 

 

Categoria: Arquitectura religiosa

 

Tipologia: Igreja

 

Localização: Carreira de São Tiago

 

Freguesia: São Tiago Maior

 

Protecção Legal: Em Vias de Classificação (com Despacho de Abertura)

 

Nota Histórica: O documento mais antigo que se conhece com referência à Igreja de São Tiago é o "Catálogo de todas as igrejas, comendas e mosteiros que havia nos reinos de Portugal e Algarves, pelos anos de 1320 e 1321..." (ALMEIDA, 1967-1971, p. 140), mas é muito provável que a igreja seja uma construção anterior.

 

A sua torre surge no desenho de Duarte de Armas, datado de cerca de 1509-1510, embora muito alteada face às dimensões reais que deveria apresentar. Destaca-se do casario que desce a encosta do Castelo juntamente com as torres das restantes igrejas paroquiais de São João e Santa Maria da Devesa. 

 

O templo que hoje observamos resulta de uma campanha de obras do século XVII, valorizada por uma intervenção setecentista que dotou o seu interior dos retábulos e altares que ainda conserva e, em particular, da obra de pedraria que envolve a primeira capela da nave do lado da Epístola. 

 

Não é já possível determinar o que resta da igreja original, embora toda a área da capela baptismal, interiormente com vários desníveis e, no exterior, pouco simétrica em relação à fachada principal, possa indiciar ter sido este o núcleo primitivo. Este pano da frontaria surge mais largo do que se lhe opõe e serve de base à torre sineira. Entre ambos, o alçado termina em empena, sendo aberto pelo portal, de verga recta e moldura de granito, e pelo janelão do coro. Apenas se destaca a cornija que remate o lintel do portal, saliente e com pináculos laterais, e, ao centro, uma vieira de grandes dimensões encimada por cruz de granito. A vieira, que evoca a dedicação da igreja a São Tiago, é o elemento que mais se distingue nesta composição, não devendo, no entanto, ser confundido com o símbolo da Ordem Militar cuja presença é desconhecida nesta região.

 

Os alçados laterais desenvolvem-se em vários planos que sugerem campanhas de obras, muito difícieis de identificar. 

 

No interior, de nave única com vários altares laterais, e capela-mor profunda, ganha especial interesse o revestimento azulejar de padrão que cobre o espaço, à excepção da abóbada do corpo e da capela baptismal. Trata-se de padrões muito comuns no século XVII, aplicados com um cuidado extremo, pois as cercaduras e frisos envolvem e integram todos os elementos arquitectónicos já existentes na igreja, entre os quais se incluem as vigas do tecto. Esta relação entre a arquitectura e a azulejaria permite, por outro lado, identificar obras posteriores, como os altares colaterais e o imponente arco de cantaria do lado da Epístola, já do século XVIII, pois a sua colocação obrigou à interrupção da sequência azulejar. 

 

De acordo com as Memórias Paroquiais, assinadas pelo Prior Domingos de Figueiredo em 1758, a igreja dispunha de oito altares que hoje ainda se conservam na íntegra ou apenas parcialmente. Assim, do lado do Evangelho, abre-se a capela de Santo António de Lisboa, para a qual se abre, por sua vez, a capela baptismal com a pia em granito. Na parede oposta, observam-se vestígios do antigo altar de São Gregório "onde se não diz missa por ter pouco vão". Nesta capela de Santo António, uma sepultura, no pavimento, permite identificar o seu instituidor, ou seja, o licenciado António de Carvalho Bleo e as suas três mulheres: ESTA SEPVLTVRA HE DO L Dº ANT DE CARVALHO BLEO NATVRAL DE NISA FEZ E ISTITVIO ESTA CAPELA E CASA QUI COM LIANOR FEZ (?) :SVIRMA :MOLHER :ISABEL TEMUDA 2ª BRIBADA GARCOA : 3ª : VIVEO ANOS :FALECEO A DIAS DO MES DE .DI.

 

Segue-se, na nave, o altar de Santa Teresa que, segundo o Prior Domingos de Figueiredo fora inicialmente dedicado a Santa Apolónia. Junto ao arco triunfal, o altar colateral invoca a Senhora do Amparo. Do lado oposto, o altar de Cristo Crucificado e logo de seguida a capela de Santa Ana, actualmente vazia, mas cuja imagem era originária de uma ermida com a mesma invocação que existia atrás do Castelo, mas que inicialmente havia sido dedicada a São Bento. Segue-se a capela da Senhora da Encarnação, cujo arco de cantaria trabalhada e encimada pela pomba do Espírito Santo, é elogiado nas Memórias Paroquiais: "de pedra lavrada à moderna e Arco e com sua tribuna de madeira dourada, e tem quatro missas pelas quatro festas do ano que lhe deixou uma devota uma propriedades que rendem cinco mil quinhentos reis, cada um ano". 

 

O púlpito, de planta rectangular, base em cantaria e grade de madeira simples, situa-se do lado do Evangelho, entre a capela de Santo António e a de Santa Teresa.
 

A capela-mor é coberta por cúpula de quatro nervuras assentes em mísulas, cuja pedra de fecho exibe uma coluna ladeada por vieiras, aludindo novamente a São Tiago. No altar-mor, em talha, as pinturas a óleo representam Nossa Senhora do Livramento ao centro, ladeada por São Mateus e por São João, encimadas por uma tela de remate semicírcular com a Adoração do Santíssimo.

 

Por fim, e regressando à nave, a porta lateral foi certamente aberta em época posterior ao século XVII, como parecem demonstrar a pintura de marmoreados do arco e a inexistência de cercaduras de azulejo.O mesmo se verifica em relação ao coro, com uma configuração inicial diferente da que se conhece actualmente, e apenas particalmente revestido por azulejos.

 

in "http://www.fontedavila.org"